quinta-feira, 14 de maio de 2009

ASSÉDIO MORAL NA PENALTY E AMEAÇA DE IR PARA O PARAGUAY

Diante de atitudes totalitária, ditatorial que chega a beirar, regime 'escravocrata' alguns monitores da Penalty, estão perseguindo os operarios ameaçando-os frequentemente, com farta distribuição de advertências sem que haja motivos. A coisa esquenta quando o trabalhador se nega a assinar as tais advertências sem sentido. Os assediadores ficam intimidando os trabalhadores com ameaças de suspensão. Esse comportamento já se configura como assedio moral,uma das denuncias que vem mais crescendo atualmente nos tribunais da Justiça do Trabalho. "Não é fácil para o funcionário receber um salário de 485 reais, por 227 horas de trabalho e ainda ter que sofre ameaças constantemente"- desabafa IFV, que não quer se identificar. A Penalty se instalou em Itajuipe em 2000, de lá pra passa por cima dos direitos trabalhistas. Não dispõe de refeitório, os funcionários são obrigados a sofre ameaças morais de superiores. Corre na cidade uma possível saída da empresa para o Paraguay, onde já se instalou uma filial, com mão de obra mais em conta. Em quanto a 'mega empresa' que fatura mais de 14 milhões, mês maltrata os seus colaboradores os poderes constituídos nada fazem. Nem se quer exige responsabilidade social, uma das clausulas para isenção fiscal, como o contrato de isenção finda ano que vem, os itajupenses podem dormir e acordar sem a Penalty.

domingo, 10 de maio de 2009

A TROMBETA E O PALADINO

Um povo que não conhece sua história é um povo sem memória. Recebemos muitos xingamentos por parte de alguns aloprados pelas benesses do poder, ao publicarmos o informativo combativo impresso - A TROMBETA. És aqui algumas das frases ameaçadoras: - não mexa com quem tá quieto; vou quebrar de pau; vocês são idiotas, não tem dinheiro para nos enfrentarmos. Diante destas frases deprimentes de meia dúzia de aloprados bajuladores do poder, só nos resta lamentar pela falta de cidadania, respeito a democracia e informação, que é um direito de todos. A nossa luta é pelo principio da igualdade, nada pessoal. Somos a favor do debate, dialogo, transparência da coisa pública e fervorosamente contra qualquer tipo de violência, perseguição ou ditadura. Como foi o ativista itajuipense Clodoaldo Cardoso, isto em 1956, quando lançou o informativo "O PALADINO", que defendia com vigor os necessitados,os menos favorecido sendo por isso considerado um comunista. Na verdade era um homem batalhador incansável pelas coisas populares, por isso foi perseguido e teve seus direitos políticos cassados pelos que fizeram a revolução ditatorial de 64, Clodoaldo foi um dos lideres politico a se incorporar na luta pela emancipação politica de Itajuípe. Como Clodoaldo somos também de origem humildes; somos também batalhadores, lutadores incansaveis na busca da transparência das coisas populares. Ao exercitarmos nossa cidadania, levando a informação, estamos dando continuidade a emancipação de um povo que precisa conhecer os dois lados da moeda. Compreendamos que a verdade dos fatos podem ferir interesses pessoais de alguns, todavia para nós diretores e redatores da A TROMBETA, como foi "O PALADINO" do saudoso Clodoaldo Cardoso, é dá continuidade na emancipação de uma Itajuípe que ainda beira a dinastia. A nossa luta é por mais igualdade social, conservamos dentro de nós, o sonho de uma Itajuípe para todos.
Por - Erenilson Santos (Erê) Diretor e Redator da - A TROMBETA

terça-feira, 5 de maio de 2009

O PRÍNCIPE E O QUEIJO

O princípe para os maquiavélico - praticadores dos ensinamentos e conselhos de Nicolau Maquiavel, são aqueles que estão no poder, este mesmo poder é algo que pode-se, conquistar ou manter de varias formas, o que conta é ter o poder, não importa como. Para o pensador italiano Maquiavel o prefeito Marcos Dantas seria um príncipe por estar em uma situação, posição de lisonja - "administra 21 milhões",boa dinheirama, tem ao seu lado, os seus "escudeiros"e também os bajuladores do poder - são aqueles que só dizem: amém, amém - não porque não sabem criticar, mas porque não sabem viver sem o seu "queijo", que locupletam, farinha pouca meu pirão primeiro, "...e que tudo mais vá pro inferno" , como canta o cantor romântico Roberto Carlos. O mesmo Maquiavel disse: - os homens são ingratos volúveis e avidos de lucros. Imagina-se, nenhum poder é eterno tudo na vida passa, o tempo e responsável pelo desgaste humano. Como disse o pensador - que serve de inspiração para muitos políticos - o povo é volúvel. O povo pode agir temendo perder seu queijo. Pode estar se perguntando agora, mas que "queijo" é este que este amalucado tanto fala? Para Maria Clara Biase - escritora tradutora do livro norte americano - "quem mexeu no meu queijo". O "queijo" pode ser o que consideramos mais importante: as benesses para poder se ausentar de pensamentos lógicos, éticos e senso críticos temendo mudanças, às custa do já citado chavão: - farinha pouca meu pirão primeiro.Da mesma forma que Maquiavel disse: - o povo é volúvel - quis insinuar com outras palavras: o poder é voluvel. Pois é o povo que tem o poder, mesmo às vezes deixando-se levar pela vaidade, egoísmo,comodismo por conta da pura conviniencia. Se voltarmos nossos pensamentos, para Itajuípe e fazermos uma breve reflexão sobre o poder "marquista"veremos que existe algo inesplicavel, não lógico quando se trata de liderança. O príncipe - Dom Marquito - perde todas as eleições de presidente de associação de moradores. Será por quê,é onde estão realmente o povo, sem queijo? Como o homem é volúvel - como disse o pensador Maquiavel. "Dom Marquito " vai chegar em Itajuípe um dia e perguntar: - quem mexeu no meu queijo? E aí irás descobrir: o povo realmente e volúvel e ingrato para aqueles que se envaidece com o principado baseado nos ensinamentos maquiavélico.
Por: Erê Cabelos - email - erecabelos@hotmail.com